Fluxo de projetos MEP em BIM: aspectos fundamentais para projetos de instalações

Fluxo de projetos MEP em BIM: aspectos fundamentais para projetos de instalações

Como vimos no post anterior, com o advento do BIM, o mercado atravessou mudanças na concepção de projetos MEP. Essa quebra de paradigma recente parece tendência para o mercado e requer do profissional habilidades multidisciplinares, além de dedicação ao planejamento e aplicação de modelos 3D ricos em informações.

A metodologia tradicional se baseia em um fluxo sequencial das disciplinas envolvidas no projeto da edificação, que se inicia pela arquitetura, depois a estrutura, até as instalações prediais hidráulicas, como o ar-condicionado, e elétricas representadas por desenhos CAD 2D com linhas, textos e vistas sem informação.

Na prática, os desenhos dos projetos são sobrepostos tornando-se referência um dos outros em uma sequência de disciplinas: arquitetura, estrutura e instalações. Assim, através do gerenciamento dos níveis de desenho de forma manual, é feita a compatibilização.

Essa forma de compatibilizar e conceber os projetos de instalações, principalmente elétricos e hidráulicos, torna o processo árduo e vulnerável a erros, pois apenas elementos simples de desenhos não conseguem representar com fidelidade e riqueza de detalhes os elementos construtivos.

projetos-mep-bim

Você também pode se interessar:

Guia para compatibilização de projetos com BIM
5 desafios da compatibilização de projetos
Os desafios para implantação do modelo BIM em projetos elétricos

Novo panorama para os projetos MEP

Com a aplicação da metologia BIM na elaboração de projetos, será possível gerar mais do que a representação gráfica 2D de tubulações. A tecnologia permite criar:

• Caixas de passagens, e demais elementos;
• Modelo virtual da edificação rico em detalhes e informações antes de sua execução, que será utilizado em todo ciclo construtivo da obra;
• Elementos 3D associados às informações paramétricas que formam o prédio virtual, representando os elementos das diversas disciplinas que compõe a edificação.

A concepção de projetos em BIM está baseada em modelos tridimensionais das disciplinas envolvidas com um banco de informações associados, representando cada etapa do projeto. Assim, é possível, a partir dele, extrair os desenhos, quantitativos e demais documentos para etapa executiva da obra
Desta forma, todos os projetistas participam já das fases iniciais de desenvolvimento, tendo uma interação maior para que a troca de informações dos “Modelos” gerados possibilitem que as decisões tomadas nessas fases causem menor impacto, reduzam as incertezas e aumentem a assertividade do empreendimento.

Interoperabilidade IFC

Dentre diversos cenários possíveis nesse fluxo de informação no ciclo de trabalho, pode-se efetuar o intercâmbio dos modelos dos projetos de instalações criados em cada disciplina através da interoperabilidade de arquivos IFC, na qual cada projetista utiliza a sua ferramenta de projeto de autoria, que permite além dos cálculos normativos, detalhamentos, análises e levantamento de materiais, gerar o modelo IFC que contém as representações 3D dos elementos com inúmeras informações.

Criado pela Building Smart International (BSI), o Industry Foundation Class (IFC) é um formato de arquivo aberto que permite padronizar as informações da construção.

No fluxo BIM de trabalho, o IFC pode ser utilizado para realizar processos como: a compatibilização, colaboração, planejamento e orçamento. Mas para tal, faz-se necessária a utilização de ferramentas computacionais baseados nessa metodologia, podemos destacar alguns softwares para cada etapa do processo:

Software Empresa Website
                                                                 Projeto arquitetônico
Revit Architecture Autodesk https://www.autodesk.com.br
ArchiCAD Graphisoft http://www.graphisoft.com/archicad/
VectorWorks Nemetscheck http://www.vectorworks.net/architect
Bentley Architecture Bentley https://www.bentley.com
                                                                 Projeto estrutural
Revit Structure Autodesk https://www.autodesk.com.br
Tekla Structures Trimble https://www.tekla.com/br/produtos/tekla-structures
EBERICK AltoQi
TQS TQS www.tqs.com.br/
                                                                  Projeto de instalações
Revit MEP Autodesk https://www.autodesk.com.br
QiBuilder AltoQi http://www.altoqi.com.br/qibuilder/#tab_plataforma
CYPECAD MEP CYPE www.cype.com
DDS-CAD MEP Nemetschek http://www.dds-cad.net/
                                                           Análise e compatibilização
Naviswork Autodesk https://www.autodesk.com.br
Synchro Synchro http://verano.com.br/produtos/synchro
SOLIBRI Nemetschek www.solibri.com.br/
Tekla BIMsight Trimble https://www.tekla.com/br/produtos/tekla-bimsight
                                                               Colaboração BCF
BIMcollab KUBUS http://www.bimcollab.com

A elaboração de projetos MEP em BIM passa ser realidade, demandado uma revisão geral dos processos de trabalhos nos escritórios de projetos, a fim de repensar fluxos de processos, ferramentas computacionais e novos conhecimentos e técnicas.

Afinal, os benefícios que a tecnologia proporciona são inegáveis, e fazem com que os agentes da construção, como: construtoras e órgãos públicos demandem cada vez mais projetos de instalações desenvolvidos com essa tecnologia.

Como já dito anteriormente, para aproveitar cada especificidade dos recursos, é necessário aprender a utilizar essa tecnologia. Compreender os pontos básicos e os fluxos de trabalho que ele pressupõe. Por isso, separamos alguns aspectos fundamentais para fluxos em projetos MEP.

Se você gostou do material acima leia também
[CDATA[ */ function read_cookie(a) { var b = a + "="; var c = document.cookie.split(";"); for (var d = 0; d < c.length; d++) { var e = c[d]
[CDATA[ */ function read_cookie(a) { var b = a + "="; var c = document.cookie.split(";"); for (var d = 0; d < c.length; d++) { var e = c[d]