Casa inteligente: desvendando 3 mitos da automação residencial

No post anterior, vimos que a tendência de projeto de casa inteligente é se tornar mais acessível, tanto na parte financeira como no uso de seus sistemas. No entanto, como tudo que é novo e desconhecido, o conceito de domótica ainda sofre resistência. De um lado, há entusiastas da tecnologia aderindo aos sistemas de automação residencial. No lado oposto, uma série de mitos que impede o entendimento das pessoas que não utilizam frequentemente recursos tecnológicos.

Que tal desvendar alguns desses mitos para entender melhor como funciona a casa inteligente?

Os sistemas são complicados

Na verdade, os sistemas de casa inteligente são personalizados, ou seja, o perfil do cliente define que tipo de ferramentas serão usadas, suas funções e modos de controle. Além disso, o princípio básico da automação residencial é possuir interfaces amigáveis, que sejam acessíveis a todos os usuários, independente de sua intimidade com a tecnologia.

Outro ponto positivo da domótica é a integração entre sistemas, alcançada graças ao trabalho do profissional “integrador”, que avalia o funcionamento da casa inteligente em todas as fases – projeto, especificação de materiais, compatibilidade entre as soluções e os demais projetos, execução, ficando responsável também pelo atendimento pós-instalação.

Automação residencial tem alto custo

Antigamente essa afirmação era verdadeira, pois existiam poucas soluções disponíveis no mercado e, geralmente, vinham do exterior. Com a popularização das casas inteligentes, no entanto, atualmente isso é um mito. Vários fabricantes surgiram e o custo das tecnologias de automação residencial já está menor.

Faltou luz, acabou a automação

Quando há queda na rede de energia, uma casa inteligente funciona como se não tivesse um sistema automatizado. Para continuar com as opções tecnológicas, é possível investir em fontes alternativas de energia, como geradores e “no break”, para alimentar os circuitos essenciais.

Se der algum pane, estou perdido!

Nada disso! Os sistemas de automação residencial são robustos e com pouca taxa de defeito. Mesmo assim, é possível garantir o completo funcionamento com a instalação de chaves de contingência nos circuitos principais. Em caso de manutenção, o sistema poderá ser acionado manualmente e a previsão de sistemas redundantes para aumentar a segurança contra falhas.

Entendendo o que é mito e verdade no funcionamento de uma casa inteligente, é possível avaliar os benefícios da automação residencial e usufruir de todas as suas possibilidades, nas áreas de segurança, conforto, entretenimento, acessibilidade, entre outras. Ganha o cliente final com um sistema que facilita sua rotina, e o mercado (engenheiros, arquitetos, instaladores), com novos produtos e valor agregado em projetos e execução.

Compartilhe suas dúvidas e sugestões sobre casa inteligente na área de comentários.

Se você gostou do material acima leia também