Como economizar tempo ao desenvolver projetos de acordo com as normas - Mais Engenharia - Conhecimento em projetos de edificações.

Como economizar tempo ao desenvolver projetos de acordo com as normas

Gostaria de ler este artigo mais tarde? Clique aqui e faça o download da versão em PDF.

Manter uma alta produtividade e economizar tempo ao desenvolver projetos são algumas das qualidades mais importantes para os profissionais e instituições, sejam elas privadas ou públicas, que atuam no setor da Construção Civil. 

 

Quando se trata da elaboração de projetos, torna-se essencial, já que a falta de eficiência nesta etapa pode prejudicar os prazos das próximas fases da obra e comprometer sua entrega final.  

 

Existe uma série de fatores que pode afetar a produtividade dos profissionais de projeto, como: escopos mal definidos, falta de comunicação entre as equipes e a falta de conhecimento dos projetistas, tanto técnico quanto da normalização vigente.

 

Pensando em auxiliar profissionais a entenderem como economizar tempo no desenvolvimento de projetos de acordo com as normas, elaboramos este artigo, no qual você encontrará subsídios para implementar estratégias e se beneficiar com a elaboração de projetos.

 

Boa leitura!  

Economizar tempo ao desenvolver projetos: siga essas 3 dicas preciosas

#1 Compatibilize seus projetos em BIM

A compatibilização de projetos é uma das premissas do BIM. Vale destacar que agrega soluções mais eficientes, desde a arquitetura até as instalações prediais, já que reduz significativamente os improvisos na obra. 

 

A compatibilização se dá através da análise de interferências entre os projetos. Esta análise deve ser realizada conforme acordado em reuniões preliminares de alinhamento entre os profissionais da obra, seguindo  os preceitos da metodologia BIM (Building Information Modeling).

 

Além de resultar em obras de maior qualidade, a análise de interferências (clash detection) evita contratempos que possam prejudicar os serviços no canteiro e que  atrasam o cronograma da edificação, devido ao retrabalho.

 

E são exatamente esses problemas que a compatibilização de projetos elimina, conciliando de forma harmônica projetos estruturais, hidrossanitários, elétricos, arquitetônico, sistemas preventivos  e todos os outros sistemas que compõem uma edificação.

 

Importação dos modelos em IFC

A BuildingSMART, organização internacional com papel determinante na adoção do BIM no mundo, desenvolveu o chamado OpenBIM, que se baseia no fluxo aberto de trabalho, cujo objetivo é facilitar a troca e o compartilhamento de informações entre os agentes da obra. Neste contexto, destaca-se o IFC (Industry Foundation Classes), que são formatos de arquivos abertos que podem ser lidos por qualquer software BIM, independente de seu formato proprietário. 

 

Na compatibilização de projetos, é importante trabalhar com ferramentas que promovam o compartilhamento de arquivos IFC, uma vez que viabilizam a troca de informações entre os projetistas com grande facilidade. Vale destacar que este é um fator determinante no sucesso da implementação BIM e no estudo das interferências entre projetos. . 

 

A partir disso, os profissionais encarregados pelos projetos da obra podem compartilhar seus modelos e  checar interferências, gerenciar e solucionar conflitos, emitir relatórios e até a criação de regras detalhadas de compatibilização. 

 

Outro ponto de destaque é a possibilidade de realizar tudo isso de forma automática e seguir as normas vigentes simultaneamente, já que algumas ferramentas BIM disponíveis no mercado apresentam recursos que integram a compatibilização às análises normativas. 

 

Em suma, a compatibilização de projetos, a partir da importação de modelos IFC, segue a seguinte ordem:

 

  1. organização do modelo BIM para compatibilização;
  2. análise das incompatibilidades de projetos;
  3. emissão de relatórios de compatibilização;
  4. análise do atendimento aos comentários;
  5. revisão do projeto no modelo;
  6. reuniões de compatibilização.

 

Essas etapas de compatibilização seguem o Guia ASBEA (Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura – 2015).

#2 Promova um planejamento inteligente da obra

Planejar a obra de forma inteligente, com o objetivo de otimizar as etapas construtivas  é um fator muito importante e que pode contribuir muito na alta performance das atividades relacionadas ao empreendimento Esta etapa abrange desde a equipe de projetos até os profissionais responsáveis pelo orçamento, planejamento, execução e gerenciamento do empreendimento.

 

Para que isso aconteça, o BIM deve ser incluído em todo o ciclo de vida da edificação. 

 

A integração entre  os modelos elaborados, cronogramas, tempo de execução das tarefas, prazos e planejamento visual da jornada da obra, possibilita aos profissionais responsáveis acompanharem as informações de cada etapa de forma mais clara e assertiva. Para tanto recomenda-se a utilização de ferramentas que permitam acompanhar o estágio da obra em qualquer local e em tempo real, facilitando a tomada de decisão frente problemas que podem ocorrer ao longo da execução do empreendimento.

#3 Siga as normas vigentes para projetos de engenharia

A Agência Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é quem regula as premissas legais para a Construção Civil. Elas abrangem a elaboração de todos os projetos e obras de engenharia.

 

As normas publicadas pela ABNT (NBR) proporcionam mais qualidade e padronização dos processos e técnicas. Além disso, auxiliam profissionais, empresas e instituições públicas a garantirem segurança jurídica e, claro, economia de tempo no ciclo da edificação. 

 

Ao todo, estão publicadas 881 NBRs. Dentre as normas da ABNT, destacam-se:

 

  • NBR 6118, que trata do procedimento de projetos de estruturas de concreto.
  • NBR 15.575, que trata dos requisitos de desempenho das edificações;
  • NBR 7190, que trata de projetos de estruturas em madeira.
  • NBR 7199, que trata do projeto, execução e aplicação dos vidros na Construção Civil.
  • NBR 7480, que trata da especificação do aço destinado a armaduras para estruturas de concreto armado.
  • NBR 12721, que trata da avaliação e procedimento de custos de construção para incorporação e dá outras disposições para condomínios edifícios.
  • NBR 13818, que trata da especificação e métodos de ensaio de placas cerâmicas para revestimento.

 

Seguir as prescrições normativas confere mais qualidade, segurança e tranquilidade aos agentes da obra, já que garante que o empreendimento atenda os requisitos legais.  Mas saiba, cada estado tem o poder de criar normas próprias. Portanto, fique atento e estude elas, também!

Interprete as normas da maneira correta

Durante os estudos das normas vigentes para a Construção Civil, é importante interpretá-las da maneira correta, para não acabar perdendo tempo com refações e consequências jurídicas, durante a fase de projeto e execução da obra.

 

Neste sentido, é primordial que as informações e documentos que compõem o projeto sejam claros e coesos. Esse cuidado fará com que o processo de aprovação do projeto seja mais rápido.

 

Por fim, não deixe de incluir nos seus estudos normativos o Decreto BIM, que orienta os profissionais e instituições da Construção Civil a se adequarem à metodologia, seguindo os marcos do documento. 

 

Gostou desse conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e compartilhe o artigo nas suas redes sociais!

Se você gostou do material acima leia também